Relatos da madrugada

Este é um post sério.

No dia 18 de novembro, na madrugada da apuração dos votos da eleição do DCE, uma série de fatos desagradáveis ocorreram no campus da UFSC. Palco de diversas festas, a Universidade se viu em meio a um cenário pouco conhecido entre os estudantes que frequentam o local: de violência gratuita.

Enquanto a apuração ocorria na sede temporária do DCE, na Biblioteca Universitária, algumas pessoas aguardavam em frente ao CSE. Próximo à meia-noite chegaram três rapazes, que estavam rondando o local. Não falavam com ninguém e andavam por fora dos grupos. Logo algumas mochilas começaram a sumir e a galera começou a tomar cuidado com suas coisas, que estavam no meio das rodinhas e não tinham como serem pegas. Mesmo assim três sumiram.

Logo após a chapa vencedora foi anunciada. Comemorando a vitória nas urnas, alguns estudantes caminhavam para a Praça da Cidadania a fim de realizar uma dinâmica. Após isso, alguns foram fazer o "bunda lelê" para o Prata, em direção à reitoria. Em seguida, para fechar a noite, haveria a corrida na rua pintada em direção ao laguinho, ou seja, a "corrida do pelados". Assim foi, com uns dez meninos e umas três meninas. Os meninos ja estavam no laguinho quando foram chamados para sair da água rápido porque estava dando "rolo".

Sem saber do que se tratava, todos saíram correndo para ver o que estava acontecendo. Uma das meninas que estava tirando a roupa foi molestada por um dos três rapazes que rondavam antes o CSE. O pessoal já tinha feito uma barreira para eles não se aproximarem do grupo que estava tirando a roupa e pediram para eles saírem dali. Os rapazes se retiraram resmungando.

Ao chegar na rotatória, em direção ao CSE, encontraram o Pedro "Balão" (irmão do Thiago da economia, "Nando Reis"), ele estava vindo do CSE, onde contabilizava os votos para divulgação, e iria festejar com os vencedores. Os rapazes aproveitaram que eles estava sozinho, pegaram a sua mochila que continha um notebook com o seu TCC quase finalizado, e espancaram-no. Pedro ficou bastante machucado e queria apenas salvar o seu projeto no computador, mas não reagiu.

Vendo que havia uma pessoa apanhando na rotatória, o pessoal correu para defendê-lo, mesmo sem saber de quem se tratava. Quando chegaram lá, os agressores entram em um carro, que foi golpeado e danificado pelos estudantes para evitar a sua fulga. Mesmo assim conseguiram escapar. Duas pessoas do grupo que estavam com seus carros foram atrás, mas não conseguiram alcançá-los.

Quando a confusão começou na frente da reitoria, foi chamada a segurança do campus, mas ninguém apareceu no local, e nem a policia atendia ao telefone. Todos entraram em pânico. Pedro foi levado ao HU, e mantinha-se preocupado com a monografia que estava no computador dentro da mochila que foi roubada.

As pessoas que permaneciam na UFSC combinaram e foram embora juntas. Outras foram ao HU ver o estado do Pedro. Para a surpresa de todos, dois dos espancadores estavam lá. Os alunos os drtiveram e chamaram a polícia, que prendeu-os. Depois foram à 5ª DP, na Trindade. Lá descobriram que um rapaz, com um Honda Fit todo danificado, estava preso na 1ª DP. E junto com ele encontraram um notebook. Dois dos alunos foram até lá no carro da polícia. Quando chegaram, estava um dos agressores algemado e sentado. Lhes mostraram o computador, que logo o reconheceram - havia um adesivo da chapa do qual Pedro participava - e identificaram o criminoso.

Os agressores foram divulgados no dia seguinte: Vinicius de Mendonça, Luiz Felipe Prazeres, Daniel Bernardo de Souza Alves. Todos de classe média-alta, um deles professor em uma instituição para crianças.


Hoje, apesar de bastante ferido e machucado, Pedro "Balão" se recupera das agressões recebidas. Contudo algo que está difícil de se recuperar é a tranquilidade em se transitar pelo campus da UFSC, seja durante o dia e principalmente à noite. Esse não é o primeiro caso de falta de segurança. Sempre ouvimos num tom de normalidade casos de estupro, arrombamento de carros, assaltos à Centros Acadêmicos, entre tantos outros delitos.

Decidi fazer o relato para que o máximo de pessoas saiba o que acontece na UFSC. O blog trata com humor muitas questões, mas algumas são tão sérias que chega a ser impossível ser diferente. Aliás, sobra espaço sim - Segurança da Universidade: uma piada pronta.

2 comentários:

  1. É uma loucura mesmo, aqui em Weingarten eu posso andar qualquer hora da madrugada do bar, ou da festa para casa que NADA vai acontecer comigo. Simplesmente é seguro!! Olha que eu já andei sozinha por aí.... nada, ninguém. Tudo calmo e tranquilo... nem sei o que será de mim quando voltar :S

    ResponderExcluir
  2. É realmente lamentável que uma coisa dessas aconteça na UFSC. Tá cada vez pior pra quem mora por perto e estuda de noite. Por isso sempre venho escoltada com o Michereff e do Diego. Quem é que vai pensar em me roubar com dois "armários" do meu lado? Hein? Hein? Vai encarar? Quero ver!

    ResponderExcluir